quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Os número da Saúde Suplementar - Parto Normal x Cirurgia Cesariana

Dados atualizados em novembro/2015 - RECIFE/PE
Saúde Suplementar
% de Parto Normal x Cirurgia Cesariana - Por Profissional

Estamos fazendo esforços para juntar em uma única planilha os dados sobre Parto Normal e Cirurgia Cesariana por profissional, em Pernambuco. A ação visa que a usuária tenha direito à informação de qualidade e baseada em evidências científicas atuais sobre a qualidade dos serviços prestados pelos profissionais que está contratando.

A medida que obriga a disponibilização desses dados é fruto de denúncia feita no ano 2006 pela Parto do Princípio ao Ministério Público Federal sobre o abuso de cesarianas. De lá para cá, o movimento social de mulheres vem crescendo e pressionando o sistema de saúde a tomar medidas para combater a violência obstétrica, a melhoria da qualidade do atendimento e a redução da taxa de cesarianas desnecessárias.

Quem tiver dados e quiser compartilhar para integrá-los à planilha, favor enviar email para: julia@institutonomades.org.br

MAIS INFORMAÇÕES:

A RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN N-o 368, DE 6 DE JANEIRO DE 2015, da Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS), que dispõe sobre o direito de acesso à infor- mação das beneficiárias aos percentuais de cirurgias cesáreas e de partos normais, por operadora, por estabelecimento de saúde e por médico e sobre a utilização do par- tograma, do cartão da gestante e da carta de informação à gestante no âmbito da saúde suplementar. Diz em seu Art. 2o:

"Sempre que for solicitado por uma de suas bene- ficiárias ou seu representante legal, a Operadora de Planos Privados de Assistência à Saúde deverá disponibilizar o percentual de cirurgias cesáreas e de partos normais, da própria operadora, estabelecimentos de saúde e médicos nominados pela beneficiária ou seu representante legal."

Para acessar a planilha, clique no link abaixo:

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Parto - um evento familiar

Recentemente foi publicada pelo jornal Folha de São Paulo uma matéria sobre a participação da família no momento do parto. Ilustrava a reportagem uma imagem do filho mais velho olhando seu irmão recém-nascido (recém mesmo!) no colo da mãe, que estava dentro de uma piscina de plástico, sob o olhar do pai, sentado na escadaria. Compartilhei essa notícia no Grupo do Boa Hora no Facebook e em poucos minutos várias mulheres começaram a falar de suas experiências de parto com a participação de seus filhos mais velhos. Depois começaram a postar fotografias demonstrando o envolvimentos do(s) irmão(s) nos processos de trabalho de parto, parto e pós-parto imediato. Gostei tanto dessa troca que pedi para compartilhar as narrativas e as imagens aqui nesse espaço. Minha intenção foi a de chamar atenção para o fato de que é preciso pensarmos e tratarmos parto e nascimento como eventos familiares, que fazem parte do ciclo da vida e que não devem ser subtraídos dos membros que compõe aquele núcleo familiar, caso esse seja o desejo dos pais. É preciso haver essa possibilidade de participação e integração. A chegada de um novo integrante na família pode ser um momento de reforçar laços afetivos, de fortalecer a união e de viver uma experiência inesquecível em conjunto. Ainda, pode servir de aprendizado para o(s) irmão(s) mais velhos sobre como é chegar ao mundo com respeito e cercado de amor em contraste ao que vivenciamos atualmente no cenário obstétrico nacional: epidemia de cesarianas e violência obstétrica. Como diz o obstetra francês Michel Odent: “Para mudar o mundo é preciso mudar a forma de nascer”.

Compartilhar experiências é um meio de disseminar os múltiplos caminhos e possibilidades para se trazer um filho ao mundo. Também é uma forma de fortalecer outras mulheres e casais em suas escolhas. Assim, compartilho abaixo, por meio de relatos e imagens, as vivências de parto com a presença e a participação dos filhos mais velhos de cinco mulheres que participaram do Grupo Boa Hora. Dos relatos, quatro ocorreram em casa, local onde é possível a livre escolha dos acompanhantes, sem restrição de idade, sexo ou quantidade. Um ocorreu no hospital com uma equipe sensível e com o entendimento de que aquele momento é da família.


Elaine Muller – Nascimento de Magnólia

Elaine, Magnólia, Francisco e Lourenço

"Marcelo também estava emocionado, me beijou, acariciou Magnólia, tirou fotos da gente. Então Lourenço chorou no outro quarto e ele foi buscar os meninos. Chegou no quarto com os dois no colo; Lourenço com um imenso sorriso no rosto, Francisco coçando os olhos, com sono.

Lourenço já se aproximou da piscina querendo tirar a roupa para entrar na água, o que desestimulamos. Francisco se assustou com a temperatura da água e disse que tinha queimado o dedo. Depois começaram a ajudar, Chicão tirando as almofadas para prepararem a cama, Lourenço procurando a bolsa com as roupinhas que havíamos separado para vestirmos na bebê. Eles ficaram muito empolgados com a irmãzinha, disseram várias vezes que ela era linda. E Lourenço foi além: 'quando Magnólia crescer, ela vai ser adulta e vai matar todos os dinossauros'. 'Magnólia, você também é Mulher Gato'. E Chicão: 'ela é Mulher Gatinha, mamãe'.

Fiquei um bom tempo dentro da água, sem conseguir me mexer, segurando Magnólia e esperando a placenta sair. Mostrei o cordão umbilical pros meninos, expliquei que a bebê estava grudada em mim ainda."



Thiane Araújo – Nascimento de Clara

Ricardo e Thiane com Clara nos braços, sob o olhar atento de Bruno

"Durante a gestação conversamos muito com Bruno sobre o parto. Que mamãe sentiria dores, que eu poderia gritar, mas que ele não se assustasse, pois era normal e isso era importante para Clara nascer. Que no nascimento dele também foi assim, só que no hospital. Pedimos para Rosinha Acioli fazer a preparação para o parto. Ele ouviu e participou de tudo super tranquilo. Como comecei as contrações as 15h15 e ela nasceu as 17h46, ele acompanhou tudo. Durante o parto queria entrar na piscina, mas as meninas disseram que eu falei só pra entrar depois de nascer (partolândia, não me lembro do que falei). Assim, nem precisamos falar. Próximo a ela nascer ele disse: 'mamãe, pense que a piscina é seu colchão e a água seu lençol'. Ele entrou logo na piscina pra curtir a chegada da irmã. Depois cortou o cordão com o pai."

Ricardo corta do cordão umbilical de Clara sob o olhar atento de Bruno


Roberta da Fonte – Nascimento de Rafael


Arthur feliz com a chegada do irmão

"Como Arthur também nasceu em casa, ele sempre ouviu a gente falando sobre o nascimento dele e já nem sei quantas vezes assistiu ao vídeo. Também sempre mostrou interesse em assistir outros vídeos de parto, pois eu sempre vejo. Muitas vezes conversava sobre estar presente no nascimento do irmão. Com muita naturalidade. Sabia que poderia ver sangue e ouvir gritos. Passamos a gestação conversando sobre a presença e participação dele. Eu sempre o quis ao meu lado neste momento. Mas André Costa da Fonte estava muito apreensivo por Arthur exigir muito. Passei a ver por este prisma e fiquei receosa. 

Mas... Como dizem, nessa hora os anjos conspiram para o bem de todos. 
Entrei em TP meio que programado, pois colocamos os 3 hots em prática. Foi "tiro e queda". Eram 2h, então, Arthur, com 6 anos e 5 meses completos no mesmo dia, estava dormindo. 

Rafael sendo pesado sob o olhar atento de Arthur

Passamos o TP inteiro apenas com Tatianne Cavalcanti Franck, Dan Gayoso e Gabriela Barros (nossa fotógrafa). Quando comecei a sentir vontade de fazer força, Arthur aparece em nosso quarto e pergunta (eu na piscina): "Mãe, por que você dormiu comigo? Por que você estava ao meu lado na cama a noite toda?". Isso me emocionou muito! Senti que algum ser superior tomou conta dele enquanto poderia não ser tão legal a presença dele e o levou até nós no momento da chegada de Rafael. 
Arthur observa o irmão

Rapidamente a cabecinha de Rafael saiu e André entregou a câmera a ele. A filmagem ficou bem legal (não repasso, pois estou em quatro apoios).  Ele vibrou com a chegada do irmão. Me deu parabéns, quis entrar na água (mas desistiu quando ela ficou bem vermelha) e cortar o cordão (também desistiu. Ficou com medo de machucar Rafael). 

Sou muito feliz com esses dois lindos. Super amigos e carinhosos."




Kalinne Mendes – Nascimento de Luna


Amarílis observa a irmã


"Ter a presença de Amarílis (minha primeira filha, 3 anos) durante o trabalho de parto foi maravilhoso. Contar com a boa energia e o amor dela foi extremamente reconfortante e gratificante. Ela já está super acostumada de ver vídeos de bebês nascendo de forma respeitosa comigo, sempre pede para assistir quando estou vendo um. Durante a contração ela dava as mãozinhas para eu apertar e me olhava com um olhar de 'vai dar tudo certo, eu estou aqui mamãe'. Aquilo me alegrava e me dava forças para seguir a jornada muito mais tranquila e sorridente. Só uma pena ela não estar presente no momento do expulsivo, pois ela tinha saído para brincar, e foi tão rápido que não deu tempo de chamar."


Verônica Rodrigues - Nascimento de Maria Clara

Verônica e Maria Clara cercadas pela família


"Meu parto foi domiciliar, na água. Ter Helder e Heloisa (08 e 12 anos) foi incrível! Participaram de tudo com a maior naturalidade. Além de estarem ao meu lado segurando minhas mãos durante as contrações, ajudaram Dan, colocando água morna na minha barriga. Heloisa filmou todo o expulsivo e colocou a primeira roupinha em Maria Clara. Helder no momento do nascimento falou que foi incrível ver Maria Clara nascer. Foi tudo tão natural como tinha de ser."


segunda-feira, 2 de março de 2015

Audiência judicial contra Danilo Gentili será no Fórum de Olinda na próxima quarta-feira (04)



Na próxima quarta-feira (04), semana que antecede o Dia Internacional da Mulher, acontecerá a audiência judicial movida pela pernambucana Michele Maximino contra o apresentador Danilo Gentilli, da TV Bandeirantes, por danos morais. A técnica de enfermagem, considerada a maior doadora de leite materno do Brasil, foi vítima, em 2013, das chacotas e piadas do apresentador que, entre outras comparações, a associou ao ator pornô Kid Bengala pelo tamanho dos seus seios. Moradora da cidade de Quipapá, no interior de Pernambuco, ela passou a ser vítima de xingamento nas ruas e teve que abandonar a cidade juntamente com a família. A audiência será no Fórum de Olinda, às 13h.

O material exibido na TV e compartilhado nas redes sociais além de ser uma violência simbólica contra a mulher, presta um desserviço público visto que incita a inibição do aleitamento materno e da sua doação a bancos de leite. “Acionamos a justiça, mas nos mantemos em silêncio para evitar maior exposição e todo aquele sofrimento de novo. No entanto, chega um momento que precisamos visibilizar o caso para que ele não se repita com outras pessoas e destrua suas vidas”, afirma o professor Ederval Trajano, marido de Michele.

Mãe de duas crianças, Michele Maximino doou 417 litros de leite materno em 11 meses, batendo um recorde mundial. O marido e ela rodavam semanalmente 80 km para levar o leite até a maternidade Jesus Nazareno, em Caruaru, município do agreste pernambucano. A violência simbólica sofrida por ela resultou também em danos à sua saúde e a redução da produção de leite materno.



sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Curso de Formação de Doulas no Recife


O Instituto Nômades, em parceria com o Grupo CEFAPP, com apoio do Ishtar Recife, oferecerá em março/abril mais um Curso de Formação de Doulas. O curso é aberto a mulheres que têm interesse em oferecer apoio a outras mulheres durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, contribuindo para um parto e nascimento mais humanizado e respeitoso. Os únicos pré-requisitos são possuir ensino médio completo e gozar de boa saúde física e emocional.

O curso tem a duração de dois módulos, cada um com 4 dias de duração. O primeiro módulo acontecerá no período de 07 a 10 de março, com carga horária de 30 horas, e o segundo módulo ocorrerá de 18 a 21 de abril, com carga horária de 26 horas. 



Diferenciais do curso: 
* Aulas ministradas por equipe transdisciplinar, com experiência no ensino e na assistência ao parto; 
* Metodologia teórico-vivencial, com muitas oportunidades de prática entre as participantes, vivências de contato com a natureza e ênfase à promoção do auto-conhecimento de cada participante;
* Prática supervisionada de 6 horas em maternidade local incluída no segundo módulo;
* Possibilidade de fazer apenas a parte teórica do curso (os dois módulos), recebendo certificado de participação no curso, ou de fazer toda a formação (que inclui componentes que deverão ser realizados individualmente, fora da carga horária dos módulos teóricos), recebendo certificado de aptidão para atuar como doula autônoma.


Mais informações/inscrições:
Grupo CEFAPP - (81) 3221.9354